As Catacumbas de Roma

As catacumbas de Roma, de Benjamim Scott, constitui-se em uma verdadeira revelação.

Mostra a pureza e o vigor dos primeiros seguidores de Cristo, os quais, mesmo coagidos, foram fiéis até a morte. O escritor lança mão de seguros registros históricos, acerca-se de autoridades renomadas no assunto, como ele próprio, e mostra, pelas inscrições tumulares dos primeiros séculos, a santidade dos defensores da verdade.

Os milhares de peregrinos que visitam Roma não tomam conhecimento desta realidade. Scott afirma que as inscrições exploradas e catalogadas somam 70 mil, significando este número uma pequena fração de uma vasta necrópole com quatro milhões de sepulturas em mais de oitocentos quilômetros de galerias subterrâneas. Nesta silenciosa cidade dos mortos – diz ele – vemos-nos cercados por uma poderosa nuvem de testemunhas, uma multidão que ninguém pode contar, cujos nomes, desprezados na terra, estão inscritos no Livro da Vida.

Quem percorrer atentamente as páginas deste comentário e seguir com precaução as eruditas explicações do seu autor, há de, forçosamente, colher impressões semelhantes as de alguém que recebe, ao percorrer, em pessoa, as sepulturas dos santos.

Este livro é um autêntico cicerone para quem deseja conhecer os lugares onde palmilham aqueles que decidiram não olhar nem para a direita e nem para a esquerda, mas, voluntariamente, entregaram-se ao martírio.

Digitalizador: Levita Digital

Meus sinceros agradecimentos aos contribuintes da Vakinha 31190

<<<<<LINK EXCLUSIVO>>>>>

<<<<<MEGAUPLOAD>>>>>

Últimos comentários
  1. FRANCISCO SOARES 14 de outubro de 2011
  2. admin 13 de agosto de 2011
  3. andre 11 de agosto de 2011
  4. George da Silviera 17 de Abril de 2011
  5. John Jones 9 de Março de 2011
  6. LUIZ CARLOS 5 de Março de 2011
  7. Davi 3 de Março de 2011
  8. José Cappeletti 3 de Março de 2011
  9. jose mario 2 de Março de 2011
  10. Josias Anastacio de Souza 28 de Fevereiro de 2011

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *